quinta-feira, outubro 16, 2014

Encerramento das urnas

Os correspondentes do CIP relatam que, no final da votação, ainda havia algumas assembleias de voto com um número significativo de pessoas ainda por votar, e, apenas algumas encerraram às 18h30 ou 18h45.
Um número de assembleias de voto, inclusive em Moma, Nampula, e Mecula, Niassa, tinha longas filas e teve que permanecer aberto por mais tempo.

Observatório Eleitoral vaticina baixa participação

O Observatório Eleitoral informa que seus observadores, num total de 778 assembleias de voto relatou que 34% dos eleitores tinham votado até às 14h30. 
A maior parte das pessoas votou por volta das 14.30, o que sugere uma participação igual ou inferior aos 45% registados em 2009 e 43%, em 2004.


Tiroteios para dispersar eleitores

Na EPC de Macombe, no bairro da Munhava, na Beira, agentes da FIR dispararam balas e gás lacrimogénio para dispersar eleitores que não quiseram abandonar o local depois da votação.
Uma situação similar, resgistou-se na escola Secundária 12 de Outubro, na Cidade de Nampula, onde os eleitores se recusavam a abandonar o local depois da votação, com o argumento de acompanhar o processo de votação.

Tumultos em Angoche causaram interrupção da contagem

Indivíduos assaltaram as assembleias de voto em Inguri, Angoche, o que originou a fuga dos MMVs, levando a interrupção da contagem em algumas assembleias de voto.

Em Nampula

Nas últimas horas da votação, as assembleias da EPC dos Belenes, em Nampula, registou uma enchete irregular dos eleitores que logo pela manhã foram impedidos de exercer o seu direito devido ao desaparecimento dos cadernos eleitorais.
Os mesmos alegam que não vão sair do posto de votação antes de votar e a polícia disparou para o ar balas verdadeiras e gás lacrimogénio, visando dispersar a multidão.

Membro do MDM baleado

Um membro do MDM se encontra hospitalizado no distrito de Dondo, na província de Sofala, na sequência de dois tiros atirados por agente da polícia.
O cidadão, cujo nome não foi apurado, diz que estava a contextar a introdução de uma urna pré-preenchida numa assembleia de voto e se desencadeou um tumulto.
De salientar que os dois tiros atingiram as duas pernas, numa das quais partiu o osso.

Cortes de energia

Depois das 18 horas, os cortes de energia começaram a ser frequentes e a generalizar-se em muitas províncias do país. Esta situação vai afectar o processo de apuramento dos votos, criando condições para fraude.
Relatos de correspondentes do FORCOM indicam que os cortes se registaram em:
- 7 postos de votação em Homuine, sem energia,
- Na Escola Primária de Maringane, em Pemba,
- Alguns postos em Bárue,
- Alguns postos na Cidade de Nampula,
- Algumas assembleias na cidade de Lichinga.

Enchimento de urnas - presidente de mesa detido

Nas últimas horas do processo eleitoral começaram a ser reportados vários casos de tentativas de fraudes e em vários cantos do país, por via, sobretudo, de enchimento de urnas.

Angónia

No distrito de Angónia, concretamente na EPC de Domué, um presidente de uma mesa de voto, de nome Jeremias Atanásio, foi detido ter sido encontrado com boletins de votos preenchidos a favor do partido Frelimo. Neste momento encontra-se encarcerado no comando distrital da PRM em Angónia.

Gaza

Em Chidenguele, Gaza, observadores foram flagrados numa nova forma de enchimento de urna. Um cidadão, membro de um grupo de observadores desconhecido, pegou em boletins de voto da mesa principal e os colocou em numa abertura da cabine onde os eleitores preenchem o seu boletim de voto.

O caso foi descoberto quando um observador foi fiscalizar a cabine de votação e de lá tirou os boletins de voto, que estavam marcada a favor da Frelimo (ver foto no pdf anexado).
A idéia, ao que tudo indica, era de os membros da Frelimo, quando fossem votar, para além do seu boletim de voto, também dobrariam os previamente colocados e preenchidos e depois iriam introduzir na urna.

Quelimane

Em Coalane, na Cidade de Quelimane, um observador flagrou uma pessoa dentro da assembleia do voto com 17 boletins preenchidos à favor do candidato da Frelimo.
Urnas clandestinas foram encontradas no carro de um agente da polícia em Quelimane com a chapa de matricula PRM 00313. A mesma foi interpelados pela população e o agente da polícia entregou as urnas a dois cidadãos desconhecidos, que as transportaram em dois carros que continham a chapa de matrícula ACU 173 MC e ADJ 481 MC.

Beira

Na Escola Secundária da Manga na Cidade da Beira foi encontrado uma urna contendo votos. O facto é confirmado pelo Presidente da Comissão Nacional de Eleições de Sofala e o mesmo garante que já estão a trabalhar sobre o assunto.

Dondo

Na província de Sofala, no distrito de Dondo, um repórter do jornal Zambeze foi agredido e teve a sua câmera fotográfica e o próprio material destruído por um MMV, tudo porque continha imagens e informações que mostravam os MMVs a preencherem boletins do voto a favor do partido Frelimo, e uma professora que foi flagrada quando tentava introduzir os boletins nas urnas.
A câmera continha, igualmente, filmagens de uma discussão entre os MMV´s e os representantes dos partidos políticos na mesa da assembleia de voto número 07006003, localizada na EPC Eduardo Mondlane.

Segundo os nossos correspondentes, os agressores são conhecidos por Djidinho e Zacarias, por sinal, este último filho do presidente do Conselho Municipal de Dondo e funcionário do hospital distrital. O STAE não se pronunciou sobre este caso.

Fonte: Boletim sobre o processo político em Moçambique Número EN 59 - 15 de Outobro de 2014 - 21.30

1 comentário:

Machillo Ossilana disse...

Ha que dizer que não! mas sim os observadores vindos fora do pais sobre tudo em Africa soa tambem Xiconhoca, visto que sao individuoa de alta confianca dos seus estados com modelo de governacao de xicos corruptos e INTRUJADORES da verdade e da Opiniao publica, dai que defendem os mesmos ideais de chicos da frelimo.