domingo, março 29, 2015

Guebuza demite-se da liderança da Frelimo

O presidente da Frelimo, Armando Guebuza, demitiu-se hoje da liderança da Frelimo, anunciou hoje o porta-voz da força política, Damião José.
"O camarada presidente Armando Emílio Guebuza surpreendeu os membros do Comité Central e apresentou a sua demissão, que foi aceite", adiantou aos jornalistas Damião José, acrescentando que ainda hoje será eleito um sucessor e que o actual Presidente da República, Filipe Nyusi, é, para já, o único candidato à liderança da Frelimo.
Os trabalhos, à porta fechada, do último dia da IV Sessão Ordinária do Comité Central, iniciados na quinta-feira na Matola, arredores de Maputo, foram alterados e os cerca de 200 membros do órgão vão escolher o sucessor do ex-chefe de Estado moçambicano, um tema que não constava da agenda da reunião.

sexta-feira, março 27, 2015

Armando Guebuza, Afonso Dhlakama e a Perceptiva Retórica

Um dos meus amigos tem defendido que tudo o que Armando Guebuza diz e nos mete medo é porque não entendemos que ele é poeta. Mas cada vez mais que o escuto e cada vez mais que comparo o seu discurso com poemas que leio noto algo de diferença,. Contudo, estou me apercebendo de que poeta Guebuza é. Só para citar algo que Guebuza disse nos últimos meses:
“Esta vitória foi arrancada, porque eles estavam determinados a não nos deixar sobreviver e nós dissemos, nós somos Frelimo, nós somos fortes, nós vamos vencer”, ...
"Transformarem o sonho dos outros em pesadelo".
Se comparando com o discurso de Martin Luther "I have a dream...” ficamos a entender que Armando Guebuza só pode estar a fazer poesias de guerra e não difere de quem em resposta ou vice-versa, diz que vai dar porrada, nomeadamente Afonso Dhlakama.
Veja-se, o poema pelo qual Armando Guebuza ficou conhecido como poeta:

As tuas dores  
mais as minhas dores
vão estrangular a opressão...


Talvez, talvez e talvez mesmo e usando a proposta do tal amigo, e querendo e crendo nisso, somos obrigados a dissecar os discursos usando diferentes perseptivas retóricas.
Pessoalmente, não acho que são os discursos de Guebuza ou Dhlakama que poderão iniciar guerra em Moçambique. Talvez acções como daquele governador de Manica e ex-Ministro do Interior que nem quer entender que a guerra fria morreu fria.

Onde as instituições funcionam

Onde as instituicões trabalham, em pouco tempo produzem-se resultados

Co-piloto escondeu baixa médica da Germanwings


A procuradoria de Düsseldorf (oeste) informou hoje que o co-piloto que alegadamente provocou o desastre do avião da Germanwings tinha um atestado médico de baixa por doença, abrangendo o dia do acidente, que rasgou e escondeu da companhia.
Andreas Lubitz tinha além disso vários documentos que demonstram que estava em tratamento, segundo a procuradoria.
A polícia alemã encontrou na casa do co-piloto formulários de "atestados médicos detalhados, rasgados" que dizem também respeito "ao dia dos factos", segundo um comunicado que não precisa a natureza da doença.
Fonte: LUSA - 27.03.2015

quinta-feira, março 26, 2015

Histórico da Frelimo diz que discurso de Guebuza cria medo e silencia

O militante histórico da Frelimo Jorge Rebelo considerou hoje que o discurso de Armando Guebuza, presidente do partido no poder, na abertura da reunião do Comité Central, cria medo e silencia o debate.
"Ele está a travar a discussão, quando lança esses recados de que há membros que estão a lançar publicamente ideias que enfraquecem o partido. Isso é que é mau, porque mete medo às pessoas e, pronto, aí estamos silenciados", afirmou à Lusa o antigo dirigente da Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique) e ex-ministro da Informação de Samora Machel.
Armando Guebuza criticou hoje os camaradas que publicamente procuram dividir e semear a confusão na força política.

Guerra de poder entre Guebuza e Nyusi está a piorar

O director do departamento africano no instituto de estudos internacionais Chatham House considera que a luta de poder entre o actual e o antigo Presidente está a piorar e que o poder pode mudar de mãos.
"A luta de poder entre o antigo Presidente Guebuza e o Presidente Nyusi está a piorar, tendo influência nas decisões do Governo, nos esforços de mediação com a oposição e afetando o clima empresarial", disse Alex Vines em entrevista à Bloomberg no dia em que a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) inicia a reunião do Comité Central, até domingo.

Guebuza critica camaradas que querem dividir e semear confusão na Frelimo

O presidente da Frelimo, Armando Guebuza, criticou hoje, na abertura do Comité Central do partido no poder, os camaradas que publicamente procuram dividir e semear a confusão na força política.

"Preocupa-nos a postura e comportamento de alguns camaradas que publicamente engendram acções que concorrem para perturbar o normal funcionamento dos órgãos e das instituições e para gerar divisões e confusão no nosso seio", declarou o ex-Presidente, que se mantém líder da Frelimo, perante 195 membros do Comité Central e dezenas de convidados.
A continuidade de Guebuza na liderança da Frelimo tem sido questionada por analistas e também por membros do partido, que alertam para o risco da criação de dois centros de poder, fragilizando o Presidente da República, Filipe Nyusi, também presente na IV Sessão Ordinária do Comité Central, hoje iniciada na cidade da Matola, arredores de Maputo.

Família de Cistac recorre à justiça francesa

Na queixa pede-se ao Ministério Público de França que investigue o homicídio do constitucionalista este mês em Maputo.

O advogado da família do constitucionalista franco-moçambicano Gilles Cistac, assassinado a tiro em Maputo, anunciou ontem que a família apresentou queixa na justiça francesa por homicídio. A queixa, dirigida ao Ministério Público de Paris, pede que “todas as diligências sejam feitas” no âmbito deste caso, afirmou Thierry Carrère, citado na edição eletrónica do jornal francês 20 Minutes, quando passam três semanas sobre o homicídio de Cistac, ainda por desvendar pelas autoridades moçambicanas.

“Parece que ele foi assassinado simplesmente porque tinha emitido uma interpretação sobre o texto da Constituição moçambicana”, declarou o advogado, antigo colega de Cistac quando ambos estudavam Direito na Universidade de Toulouse.

quarta-feira, março 25, 2015

Confrontos entre polícia e apoiantes da Renamo após proibição de comício de Dhlakama

A polícia e apoiantes da Renamo envolveram-se em confrontos na cidade de Chimoio, centro, quando as autoridades proibiram um comício do líder do maior partido de oposição, Afonso Dhlakama.
Segundo as autoridades policiais, o comício, que devia iniciar-se às 15:30 no Estádio Municipal do Chimoio não tinha autorização e foi montado um cordão de segurança que apoiantes da Renamo (Resistência Nacional Moçambicana) tentaram atravessar.
Inicialmente tratava-se apenas de membros da organização que tencionavam recuperar as cadeiras e símbolos do partido dentro do estádio, mas que depressa foram seguidos por populares com o objectivo de ocupar o recinto.

FIR aos TIROS contra o comício de Dhlakama em Chimoio


Fonte: Diálogo sobre Mocambique - 25.03.2015 (foto de Aurélio Bull Guebuza)

segunda-feira, março 23, 2015

– EMBAIXADORES CONFIANTES NA RESOLUÇÃO DE SITUAÇÕES CANDENTES DO PAÍS

O chefe da Delegação da União Europeia em Moçambique, Sven Burgsdorff, mostrou-se confiante na resolução pacífica da situação política pós eleitoral que se vive no país.

Falando sexta-feira, em Maputo, momentos após o encontro que mais de 20 Embaixadores europeus acreditados em Moçambique mantiveram com o presidente moçambicano, Filipe Nyusi, Burgsdorff reiterou a disponibilidade de apoiar o Plano Quinquenal do Governo (PQG) 2014-2019 e os trabalhos relacionados ao Projecto de Lei sobre a criação das autarquias provinciais.

A criação das autarquias provinciais é uma ideia avançada, recentemente, pelo líder da Renamo, Afonso Dhlakama, depois das eleições gerais de Outubro de 2015, nas quais ele e o seu partido saíram derrotados.

Carmelita Namashulua indignada com demolições

A Ministra da Administração Estatal e Função Pública quer saber onde estavam os municípios quando foram construídas as obras agora demolidas com pás escavadoras. Carmelita Namashulua diz que já pediu esclarecimentos aos municípios, estando agora à espera das respostas.
As imagens de demolição de residências alegadamente clandestinas deixaram preocupada a Ministra que tutela os municípios, a qual visitou, esta segunda-feira, a autarquia de Maputo para confrontar o edil David Simango.
Carmelita Namashulua promete esclarecer o caso das demolições até ao fim deste mês, quando terminar a visita ao município de Maputo.
As demolições de vulto iniciaram no Município da Matola e logo se estenderam à cidade de Maputo, Nacala e Tete. 

Fonte: O País – 23.03.2015

MDM indignado com “chama da unidade”

O Movimento Democrático de Moçambique (MDM) declarou- se, sexta-feira, indignado com o lançamento da “chama da unidade”, que vai assinalar as celebrações dos 40 anos da independência do país.
 “É com muita indignação que ouvimos a informação, através dos meios de comunicação social, de que o Governo, mais uma vez, vai preterir as várias preocupações do país para dar lugar à suposta ‘chama de unidade’, consumindo assim o pouco que o país tem em realizações que em nada ajudam o sofredor povo moçambicano”, declarou o partido, através de um comunicado de imprensa.

Sarkozy em primeiro lugar

O partido União Por Um Movimento Popular (UMP), de Nicolas Sarkozy, saiu vencedor da primeira volta das eleições departamentais que se realizaram, este domingo, em França. As sondagens à boca das urnas apontavam para uma vitória com votações entre os 31 e os 36%, enquanto a Frente Nacional, de extrema-direita, obtinha de 25% dos votos. Já o Partido Socialista, do actual presidente François Hollande, fica-se pelo terceiro lugar.
Marine Le Pen congratulou pela votação obtida que é a mais alta jamais obtida pela Frente Nacional.
Sarkozy, por seu lado, considerou que o resultado foi a demonstração massiva de reprovação do povo em relação aos socialistas que “não pararam de mentir acerca dos impostos, taxas, segurança e educação”.
A segunda volta das eleições departamentais realiza-se no próximo domingo.

Fonte: O País – 23.03.2015

Nota: Numa discussão duma aula de educacão cívica eu alertara a alguns estudantes emocionados com ataque a Charlie Hebdo que uma das maiores consequências poderá ser de trazer a Frente Nacional ao poder na Franca.

“Implementação das autarquias provinciais não será para breve”

A implementação da proposta da Renamo sobre criação de autarquias provinciais, caso venha a ser aprovada não será para breve como a Renamo exige, alertou hoje, segunda-feira, em Maputo, a ministra da Administração Estatal, Carmelita Namashilua, instituição que tutela os municípios.
Namashilua, titular da pasta da Administração Estatal, justifica que será preciso fazer vários reajustes, o que significa levar muito tempo.

Anadarko reage sobre o projecto de lei da Renamo de reter 50% das receitas

O número 5 do artigo 58 do projecto de lei da Renamo para a criação das autarquias provinciais, tem haver com a tributação dos megaprojetos operados no pais, com destaque para a exploração do carvão, pedras preciosas, ouro gás e petróleo.



Fonte: TIM - 22.03.2015


Antigo governador responsabiliza Estado pelas construções desordenadas

É a opinião de quem há  mais de 20 anos lida com o ordenamento territorial no país. O topógrafo e antigo governador de Inhambane, Francisco Pateguana, entende que se houvesse organização por parte dos municípios, não haveria espaço para as recentes demolições que se verificam nas cidades de Tete, Maputo e Matola.
Pateguana diz ainda que as recentes demolições que se verificam em algumas cidades do país são prova inequívoca da falta de organização do Estado. “As pessoas ocuparam sem que lá houvesse planificação. A planificação está a aparecer agora depois das pessoas ocuparem. Deve haver planificação primeiro. Cabe ao município planificar e implantar no terreno, para ter a lista dos talhões ocupados e não ocupados, de forma que o cidadão, ao dirigir-se a uma instituição, esta seja capaz de dizer que os terrenos livres são estes”, disse Pateguana.
E acrescentou: “outra coisa é o direito de uso e aproveitamento de terra. O cidadão não segue todas as regras. Vai ao secretário e este dá-lhe um certo espaço. Dirige-se a um outro nível e este dá um espaço, mas é um dar prático e não teórico. O dar teórico precisa de uma tramitação que vai levar tempo.

Fonte: O País – 23.03.2015

sábado, março 21, 2015

Que se pretende com o ensino bilingue?

Eu estava no Diálogo sobre Moçambique a debater sobre a introdução de ensino bilingue em todo o país. O grande problema sobre isto é de o Ministério de Educacão ou o Governo no seu todo em nunca submeter a proposta do ensino bilingue ao debate para colher contribuições que possam ser importantes para o sucesso do mesmo.

Eu pergunto do porquê não resgatar a experiência sobre a divulgacão do Sistema Nacional de Educacão (SNE) de que tanto me lembro porque fui um dos divulgadores provinciais?


Fico estupefacto quando me apercebo que até docentes de instituicões que formam professores não sabem nada e nadinha sobre o que realmente se pretende com o ensino bilingue.